sábado, dezembro 26, 2009

Lost and Insecure...



É Natal...
Época da azafama... das prendas...  da chuva miudinha e da mais tempestuosa...
Época de nostalgia...
Do amor relembrado pelo esquecimento passado...
Da solidariedade forçada para redimir todos os egoismos durante um ano inteiro...
Toda esta correria gira à velocidade da luz ... do lado de fora da minha janela...
Eu...
Sentada...
Aconchegada...
De ar condicionado ligado no quente...
Apesar da aragem fria a soprar-me a ponta do nariz...
Olhava através do salpicar da chuva no vidro da frente...
Para...
Arranca...
Para...
Arranca...
Já sentia aquela dormência dolorosa nos dedos dos pés... de tanto pisar os pedais que se tornavam cada vez mais pesados...
Descansava a embraiagem...
Descansava o acelerador...
Parou...
Não mexeu nem mais um milimetro...
Desligo o carro...
Mantenho o rádio ligado para me fazer companhia....e fico a olhar fixamente para o fogo incandescente mesmo em frente ao meu nariz...
Fixo... desfoco ... focado... desfocado... brinco com o olhar ... com o meu caleidoscópio...
Olho para o lado...
Vizinhos com cara de poucos amigos... a esbracejar com ninguém... como se de alguma coisa lhes valesse...
O meu único pendura a olhar para mim... olhar ingénuo e solidário... mais quente que eu... confortável na sua poltrona...
Falo com ele em pensamentos... questiono-o... mas não me responde... impávido e sereno...
Oiço uma música que me faz sonhar... pairar no ar por cima daquele mar metálico
Fazendo-me sentir aquele nozinho no estômago... reconfortante...
Ali...
Depois de um dia inteiro de trabalho...
A um domingo ... quase meia noite...
O trânsito parado... meia hora...
Meio mundo...
E aquela música fez-me não querer saber... acompanhou o meu desespero de chegar à cama... fez-me cantar em plenos pulmões no meio daquele mar vermelho... e fez com que aquela meia hora durasse apenas meio minuto...
Perdida...

2 comentários:

CarMG disse...

O poder da música, reconfortante e relaxante, que nos faz esquecer que estamos parados no meio do trânsito, insuportável e abominável, que nos engole a partir do pé, de tanto carregar e desacelarar.
Entendo tão bem o falar-pensamento com o pendura que não estando, está...

littledreamer disse...

mas eu tenho mesmo um pendura... :)que nao me responde claro ... sempre ali a olhar pra mim...dou cmg muitas vezes a olhar para ele e a falar-lhe em pensamento... quando o meu carrito tiver pronto has-de reparar na minha companhia das viagens :D