segunda-feira, dezembro 14, 2009

Alucinações

À saída...
...de guarda-chuva numa mão, mala ao ombro e uma pasta cheia de folhas sonhadas em projectos na outra mão...
Passos apressados...
Vou ouvindo as pedras secas do caminho quebrando debaixo dos meus pés.... deixando descair os saltos agulha no entremeio dos paralelipipedos da calçada... desequilibrada... frustrada com mais um dia de trabalho ...
o reclamar do chefe... telefones a tocar... colegas a cochichar pelo canto do olho... folhas e mais folhas amassadas e rasgadas por frustrações e erros triviais...
Ando... continuo a andar ... as meias de vidro molhadas com a chuva gelam-me as pernas... os pés humidos  escorregam dos sapatos ... e vou balanceando passo a passo num desequilibrar equilibrado pelo peso nos braços.... cansaço... o carro ao longe ... num caminho k aparenta nunca ter fim... desejo abrir a porta... sentar-me... respirar fundo... e pensar... estou a salvo...
Continuo a caminhar... o estalar da areia debaixo de mim... acompanha a música da chuva a cair com o ritmo do meu andar... no escuro... na noite... numa rua vazia... iluminada por uma língua de fogo a 10 metros de altura ... ali vou eu... concentrada nos meus passos... no meu destino... nos meus sonhos... com o desejo de esquecer a azafama daquela vida atribulada...
Finalmente... o carro...
Apresso o passo ... arrisco no desequilibrio para atingir a meta ...
... cheguei...
Sinto um vazio...
Paro...
...chave em punho pronta para abrir a porta do sossego
Olho em volta...
...nostalgia...
O vento a bater-me no rosto quente... sofrego...
... fios de cabelo húmidos cobrem-me a cara, tatuados... como a pedir refugio na minha pele...
... respiro ofegantemente...
... oiço o ar a entrar e a sair de cada alveolo... cada troca gasosa... o bombear no peito...
...concentro-me
deixo cair o que me guarda e fico ali... à chuva...
... desprotegida...
... desequilibrada...
... à procura de um olhar...
... desejando um olhar que não existe...
À procura dos teus olhos em meu redor... concentro-me
... fixo um alvo...
... que não passa de uma publicidade enganosa... que me iludiu a mim também...
... uns olhos intensos...
... vidrados... reluzentes...
... que me desejam no meu pensamento...
... em papel fino... fixos em mim...  afixados... numa paragem de autocarro...
Desmoreço... molhada...
... com o sobretudo pesado... ombros descaidos e tez marmoreada pelo frio da chuva inexistente...
... como tu...
... naquela noite....
... de ténis calçados corro para o carro... na esperança de chegar a casa... e entrar na cama... que ainda quente espera por mim... para sonhar com o teu olhar... à minha espera... ao longe ... na solidão de uma noite fria e chuvosa de Inverno...

4 comentários:

CarMG disse...

Adorei!!!!!!!!!
Muito bom :)
palpitei a cada frase, como era suposto!

littledreamer disse...

obrigada linda :) eu também palpitei ao escrevê-lo...

ZapporssoN_81 disse...

quase que ia apostar que o tinhas vivido;)tão bem descrito k é

littledreamer disse...

em parte... há certas coisas que até vivi... mas a imaginação ajudou. ^:)