Pedaços d'Alma ...Traços de Mim

terça-feira, Março 30, 2010


Tanta coisa para dizer... tanta experiência para partilhar ... mas o meu cerebro está num nó só... agarrado a uma margem... cheia de ideias perdidas por um mundo desconhecido de mim mesma... reencontrada em emoções e lições de vida...
Não me consigo transmitir... apenas sentir... e viver...

quarta-feira, Março 03, 2010

Lisboa, 3 de Março de 2010...


Há dias em que a nossa cabeça parece funcionar mais do que nós queremos ou estamos à espera... mesmo sem sabermos o porquê... nem o significado de tanta agitação axonal...
Para mim... hoje é um desses dias... reflexões... mais reflexões... desejos... promessas... mais um ano... mais objectivos e espectativas de algo melhor... mesmo sem saber o quê...
Uma vida melhor seria pedir muito?... saúde... amor... amizade... sinceridade... e uns eurozitos a mais no bolso também não faziam mal nenhum... toda a gente pede o mesmo...
Cada ano que passa é um ponto de viragem nas nossas vidas... cada um mais diferente do outro.... melhor... pior... nunca igual...
Hoje apenas me limito a desejar que este meu novo ano seja um bocadinho melhor que o passado... em todos os aspectos... cada um teve a sua quota parte menos positiva... uns mais... outros menos...
Mas nem tudo foram tristezas... também houve bastantes alegrias... gargalhadas e disparates agradáveis...
Este meu pedaço nasceu... e tem crescido... este meu ponto diferente... uns traços rabiscados numa alma vagueante... desconhecida de si própria... encontrada em mim... nos meus dedos em contacto com as teclas do computador... nas canetas que me passam pelas mãos... em momentos que me passam pela cabeça... e são transformados na imaginação... com a ajuda de situações que me passam pela vida...
Esta sim... uma soma de todos os anos que me passam pelo corpo... pela alma...
Hoje começa mais um...

sexta-feira, Fevereiro 19, 2010

Acordar...


Inspiro... suspiro por mais um fôlego intensamente reenergizante...
Olho à volta... mais uma vez... e nada vejo...
O meu cérebro pára... à procura de calibragem para retomar a sua actividade diária...
Calibre de tolerância... pensamentos positivos... reconfortantes... ajudam-me a ultrapassar mais uma etapa...
A jugular aperta intensamente e aproveita cada ínfima partícula de oxigénio que navega por entre cada obstáculo menos puro... usado... recôndito...
Sinto os olhos... as lágrimas... a língua... os dentes... cada dedo... cada membro... encontro-os a ganhar vida...
Cada músculo hipóxico treme ao saber que vai voltar ao trabalho... desejoso... hiperemiante... sedento de calorias...
O corpo pesado... esgotado... preguiçoso... pede apenas mais um segundo de descanso... um segundo que equivale a mais de uma hora para recuperar todas as forças perdidas ... poupa mais um tremor... mais uma fraqueza...

quarta-feira, Fevereiro 17, 2010

Olhos que...


Passaram a correr sem pedir permissão a ninguém...
Tocaram-se sem desculpas nem perdões...
Iris na iris escura...
Ternura ...
Que singnifica tudo e nada ao mesmo tempo...
Trocam-se ao longe com caricias escondidas...
Impedidas...
Libertando faiscas dilacerantes que se propagam como um tsunami pulsátil...
Jorrante de liquor vermelho para o interior de um frágil casulo transbordante...
Faíscas viciantes que desejam mais e mais...
Iris nas iris... 
Órbitas nuas e desprovidas de armas...
Indefesas sem ressentimentos...
Esses olhares cativantes...
Que sussurram palavras ilariantes...
Falando no regaço de um suspiro perdido...
Confessam desejos alucinantes de um amor escondido...
Quatro alvos alinhados círculo a círculo...
Focados ao pormenor de se saber cada traço...
Cada linha do horizonte...
Circunferências delineadas a paixão escondida...
Proibida...
Construida por memórias esquecidas... 
Aquecidas pelo fogo crepitante...
Conservador de pensamentos gelados... 
Passados pelos olhares enganados...

terça-feira, Fevereiro 16, 2010

Correntes Selvagens


dou por mim aqui agarrada com correntes ao asfalto... que não me deixam prosseguir o meu caminho... o meu sonho... correntes de metal gelado e inquebrável... indestrutivel aos olhos daqueles que se querem aproximar...
sozinha... ofegantemente cansada... derrotada por todas as forças em que alguma vez acreditei...
agora consigo compreender quando um dia me disseram um não... desculpado... quando existiam tantos sins desesperados... mas não incorporados na realidade de um ser selvagem...
agora eu também selvagem... indomável... digo nãos... compreendendo o não outrora desculpado e chorado com lágrimas salgadas num rosto desfeito por sonhos...
agora também eu vejo que não é assim tão dificil perder a criança que há em nós e desejar que ela regresse a casa com uma gargalhada estridente de felicidade esquecida... com o esquecimento de uma passagem amargurada pela página de um livro desfolhada com a velocidade fulminante de um desejo que já foi...
que já não o é...
compreendo... não censuro... também eu agora reconheço o quão dificil é viver selvagem... desejando cativeiro que nunca saberemos se será o ideal... que não conseguimos dizer sins... que não conseguimos seguir um sonho... um desejo... porque simplesmente não dá... não somos capazes... não somos crianças... tornamo-nos selvagens num mundo de relações humanas... sonhos quentes... envolventes... duradouros... mas não passam de sonhos...
foi esse não ... o último a fazer-me sentir criança novamente...
permaneço acorrentada aos elos que me queimam contra o alcatrão do asfalto fervente... forte... incapacitante... do selvagem... perdendo a criança sonhadora que outrora aqui habitava...

segunda-feira, Fevereiro 01, 2010



...I'm just living inside my own little bubble... and surviving... day after day...
...I'm recognising myself...
...protecting me...
...loving me...
...just my bubble and I...
...caring me...
...hugging me...
... bubbling me...

...sentido de impotência ao tentar o impossivel não compreendido ... dupla personalidade desapercebida...  inconstante melancolia vibrante...
desespero causal... irreal...